Páginas

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Vacina da gripe esgota na rede pública de Curitiba

A prefeitura informou que as doses gratuitas da vacina se esgotaram nesta quinta-feira (12)

Rodrigo Nunes/MS
Depois de quase três meses do início da Campanha Nacional de Vacinação contra o vírus Influenza em Curitiba, a prefeitura informou que as doses da vacina contra a gripe se esgotaram, nesta quinta-feira (12), nas unidades de saúde da capital. Desde 23 de abril, cerca de 546 mil pessoas foram vacinadas na cidade. Nesse meio tempo, foram confirmadas no Paraná 49 mortes por gripe. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Curitiba é a cidade com mais casos de óbito por gripe registrados: já são 8 desde o início do ano.


Em 25 de junho, a prefeitura havia liberado as doses remanescentes da vacina para qualquer cidadão da capital – antes elas estavam disponíveis apenas para grupos prioritários. Agora quem deixou de vacinar só tem como ppção os laboratórios particulares que fornecem a vacina.

Tipo da gripe

O subtipo H3 do vírus da influenza A é o que mais está circulando em Curitiba nesta temporada. Embora seja uma classificação diferente, o tratamento é o mesmo usado para tratar uma gripe provocada pelo H1N1, por exemplo, sem necessidade de expor o paciente a um tratamento especial. “Não muda nada o tratamento. O quadro clínico é idêntico nas infecções causadas pelo vírus influenza B, pelo vírus influenza B, pelo AH1 ou pelo AH3”, afirma Marion Burger, infectologista do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde.

Prevenção

A vacinação é uma das medidas preventivas para influenza, mas para evitar a gripe também é necessário lembrar constantemente de outras: higienizar as mãos com água e sabão ou com álcool gel, principalmente depois de tossir ou espirrar; depois de usar o banheiro, antes de comer, antes e depois de tocar os olhos, a boca e o nariz; evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies potencialmente contaminadas, como corrimãos e maçanetas.

Isso porque a transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar, e também por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz).

(Fonte: Gazeta do Povo)