Páginas

sexta-feira, 20 de julho de 2018

PORQUE HOJE É SEXTA...





Escultura de sete metros de altura na Praça do Japão é símbolo da integração da cidade, diz prefeito

         Escultura de sete metros de altura na Praça do Japão é símbolo da integração da cidade, diz prefeito


O prefeito Rafael Greca entregou na manhã desta quinta-feira (19/7) a peça "Curitiba", de Tomie Ohtake, instalada na Praça do Japão, no Água Verde. “Esta escultura está aqui para lembrar que o egoísmo não cabe em Curitiba”, disse o prefeito. “Não se pode dividir a cidade em Norte e Sul, Curitiba é uma só”, completou.

Durante a inauguração, Greca também anunciou a abertura da licitação para as obras da segunda etapa do Ligeirão Norte-Sul, desde o Santa Cândida até o Capão Raso, que vai benefíciar mais de 160 mil passageiros por dia.

União de povos
Segundo o prefeito, a grande escultura vermelha de Tomie, com 7 metros de altura, é um símbolo da inovação da cidade e, onde foi instalada, representa a integração de Curitiba.

Trata-se da segunda obra da artista instalada em ambiente público na capital paranaense. Outra escultura, com 11 metros de altura, fica no Museu Municipal de Arte (MuMA) – Portão Cultural. Ela foi criada especialmente para Curitiba celebrar o centenário de amizade Brasil-Japão.

Durante a solenidade desta quinta-feira, a união dos dois povos foi lembrada mais uma vez. Para o vice-governador da província de Hyogo, Kazuo Kanazawa, é possível perceber a tradição japonesa enraizada em Curitiba. “Agradecemos e desejamos que esse trabalho para fortalecimento dos laços continue sempre”, destacou em seu discurso.

O evento contou com apresentação do grupo de tambores japoneses Wakaba Taiko, e a Banda Lyra Curitibana executou o Hino do Japão antes do Hino de Curitiba.

“A escultura representa muito bem essa a união entre o Brasil e o Japão”, disse Greca. “E ao recordar Tomie Ohtake, ao venerar os pioneiros japoneses que vieram multiplicar civilização entre nós, dizemos que viva sempre, em nosso coração, o amor por Curitiba.”

Presenças
Participaram da solenidade o presidente do Instituto Tomie Ohtake, o arquiteto Ricardo Ohtake (filho de Tomie); o prefeito de Nishinomiya, Toshio Ishii; o prefeito de Kakogawa, Yasuhiro Okada; o presidente da Associação Cultural e Beneficente Nipo Brasileira de Curitiba (Nikkei Curitiba), Rui Hara; o secretário de Planejamento e Políticas de Himeji, Kimihiro Ando; e o Diretor Presidente da Casa Hyogo do Escritório de Representação do Governo de Hyogo no Brasil, Nobuyuki Nagata.
Além deles: a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro; a secretária Municipal do Meio Ambiente, Marilza Dias; a secretária Municipal da Educação, Maria Silvia Bacila; o secretário Municipal do Governo e presidente do Ippuc, Luiz Fernando Jamur. O presidente da Câmara Municipal de Curitiba, vereador Serginho do Posto; e o administrador da Regional Portão, Gerson Gunha.

(Fonte: Bem Paraná)

'Tomie Ohtake em Curitiba' celebra 110 anos da Imigração Japonesa

                           'Tomie Ohtake em Curitiba' celebra 110 anos da Imigração Japonesa

Em comemoração aos 110 anos da imigração japonesa no Brasil, o Memorial da Cidade recebe hoje, às 19h, a exposição Tomie Ohtake em Curitiba – Vultos, fissuras e clareiras. Ao todo, serão 29 obras entre pinturas, gravuras e esculturas. Os trabalhos abrangem o período dos anos de 1970 a 2014 da artista que é considerada a “dama das artes plásticas brasileira”. As obras ficarão expostas no Salão Paranaguá, até 30 de setembro.
Com curadoria de Paulo Miyada e Carolina de Angelis, a exposição atravessa décadas de produção de uma das mais longevas artistas abstratas brasileiras. Tomie foi uma criadora que, tendo imigrado do Japão no princípio de sua vida adulta, perseguiu o ofício artístico como um campo de descobertas sucessivas, em que a persistência de problemas visuais nunca foram motivo para impedimentos criativos.
O presidente do Instituto Tomie Ohtake e filho da artista, Ricardo Ohtake, destaca o carinho que a mãe tinha pela cidade e pelo prefeito. “Tenho certeza de que esta exposição deixaria a Tomie muito feliz por sua história com a cidade”, disse ele.

Serviço
Exposição Tomie Ohtake em Curitiba
Onde: Memorial de Curitiba – Salão Paranaguá (1º andar) - Rua Claudino dos Santos, 79
Quando: Abertura hoje, às 19h
Visitação: 9h às 12h e 13h às 18h (3ª a 6ª feira) e 9h às 15h (sábado, domingo e feriados). Até 30 de setembro
Quanto: Grátis

(Fonte: Bem Paraná)


Museu Oscar Niemeyer inaugura mostra da artista britânica Cecily Brown

“Se o paraíso fosse assim tão bom” abre no dia 21 de julho e fica em cartaz até 4 de novembro. Destaque na pintura contemporânea, a artista especula sobre o paraíso em suas obras

                            

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugura no dia 21 de julho, sábado, às 14 de horas, a mostra “Se o paraíso fosse assim tão bom”, da artista britânica Cecily Brown — um dos nomes de maior destaque na pintura contemporânea mundial.

A exposição reúne um conjunto de obras que especula sobre a ideia de paraíso. Para isso, traça diálogos com a história da arte, em contato com artistas tão diversos quanto Hieronymus Bosch, Michelangelo Buonarroti, Jan Brueghel e Peter Paul Rubens.

A mostra apresenta pinturas repletas de cor e movimento; faces — animais e humanas — que espreitam os espectadores por entre véus de cor; figuras que exploram o espaço pictórico e recusam-se à imobilização e fixação. Tudo está movimento. Os trabalhos apresentam-se no meio da narrativa, transpirando um dinamismo que desafia a natureza estática da pintura. Eles revelam e escondem na mesma medida, solicitando ao espectador que olhe de novo e de novo.

O curador Paulo Miyada analisa. “É difícil precisar se os paraísos de Cecily Brown seriam, afinal, mais ou menos toleráveis do que as versões idílicas que os precederam. Seus aspectos associáveis ao inferno (dinamismo, choque e confusão) seriam talvez bem-vindos para os cidadãos do presente, tão apaixonados pelo espetáculo de gratuidade e destruição que desfila nas velhas e nas novas mídias dia após dia, minuto a minuto”.

Sobre a artista
Cecily Brown nasceu em Londres em 1969. Seu trabalho figura em coleções públicas como: Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York; Whitney Museum of American Art, Nova York; MFA, Boston; Tate Gallery, Londres; Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Washington, D.C.; e National Gallery of Art, Washington, D.C.. As suas principais exposições individuais incluem mostras em museus como Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Washington, D.C. (2002); MACRO, Roma (2003); Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madri (2004); Museum of Modern Art, Oxford (2005); Kunsthalle Mannheim (2005–06); Des Moines Art Center, Iowa (2006); Museum of Fine Arts, Boston (2006–07); Deichtorhallen, Hamburgo (2009); Kestner Gesellschaft, Hanôver (2010, itinerante para GEM, Museum of Contemporary Art, Haia); e Galleria d’Arte Moderna e Contemporanea, Turim (2014). A artista também realizou inúmeras exposições individuais em galerias, incluindo: Gagosian Gallery, Maccarone Gallery, Victoria Miro, CFA, Kukje Gallery, entre outras. Cecily Brown vive e trabalha em Nova York.

A mostra fica em cartaz até dia 4 de novembro de 2018. Os visitantes podem visitar a exposição de terça a domingo, das 10h às 18h. Nas quartas a entrada é sempre gratuita. A retirada de ingressos no museu pode ser feita até as 17h30, na bilheteria.

Serviço:
Se o paraíso fosse assim tão bom — Cecily Brown
Data: 21 de julho a 4 de novembro de 2018
Local: Sala 1
Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h — acesso até 17h30

(Fonte: MON)

Museu Alfredo Andersen realiza oficina de fotografia em julho

                            

O curso apresenta aos alunos conceitos básicos de fotografia, técnicas de composição e poéticas, desenvolvendo a prática e a apuração do olhar de cada participante. Serão oferecidas 15 vagas. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail: lumorcos@hotmail.com, a participação é gratuita.

Os ministrantes Luana Moraes Costa, Lucas Berthier Cardoso e Otavio Colino proporcionarão a continuidade de alguma produção em execução pelo aluno, assim como o início de uma nova produção aos que estão iniciando na arte da fotografia. Além disso, os professores irão auxiliar na realização de fotos por meio de dispositivos móveis, discutir sobre os artistas, autores e debater sobre as fotografias desenvolvidas ao longo do curso. Ao final será concedido certificado de participação.

Serviço
Oficina de fotografia
De 23 a 27 de julho de 2018, das 14h às 17h

Museu Alfredo Andersen
Rua Mateus Leme 33. Centro. Curitiba/PR.
Informações: (41) 3323-5148

(Fonte: Revista Museu)



Em Curitiba: Museu da Fotografia traz 170 obras de 80 grandes nomes da fotografia brasileira

                              


Nesta terça-feira (17/07), às 19h, o Museu da Fotografia recebe a exposição "Fotografia em Transe”. A mostra é um recorte do acervo do Museu da Fotografia Cidade de Curitiba e conta com curadoria de Rubens Fernandes Junior e Orlando Azevedo. A exposição apresenta imagens de 80 fotógrafos. São mais de 170 obras que representam três períodos, divididos por décadas que compreendem os anos de 1950 a 1960, 1970 a 1980 e os anos de 1990 a 2000. A exposição também celebra o Dia Mundial da Fotografia, comemorado no dia 19 de agosto. Com entrada franca, a mostra fica em cartaz até 07 de outubro.

As obras ficarão expostas em quatro salas do Solar do Barão, cada uma delas abordará uma temática. A Sala 1 será totalmente dedicada aos fotógrafos premiados das Bienais de Fotografia de Curitiba. Já a Sala 2 vai apresentar “Os modernistas”, com a fotografia moderna brasileira, particularmente daqueles que são considerados os pioneiros na Escola Paulista de Fotografia. Com a temática “Entre o documento e Arte”, a Sala 3 consagra a fotografia direta, mais próxima do documento fotográfico. E por último, a Sala 4, traz o conceito “Experimentar e Ampliar as Fronteiras da Fotografia”, que tem a proposta de concretizar com a fotografia que se distancia do registro puramente documental e aproxima-se mais da fotografia experimental.

Idealizada pelo fotógrafo e um dos curadores desta exposição, Orlando Azevedo, as obras, em grande parte, foram adquiridas nas três edições das saudosas Bienais de Fotografia de Curitiba nos anos de 1996, 1998 e 2000. “Sonhava com a implantação do Museu de Fotografia a partir da constituição de um expressivo acervo. Um museu vivo que conspirasse com as aspirações da fotografia nacional. Um museu dos fotógrafos num constante diálogo com o outro”, comenta Orlando.

O também curador, Rubens Fernandes Junior, ressalta a importância da exposição. “É cada vez mais rara a oportunidade de estarmos diante de tantas imagens emblemáticas da história recente da fotografia brasileira”, afirma.

O acervo possui algumas das coleções mais complexas e completas como as de Haruo Ohara, uma descoberta enriquecedora para a história da fotografia brasileira revelado nas Bienais, Claudia Andujar, Claus Meyer, Marcelo Buainain, Manoel da Costa e Lalo de Almeida, sendo os três últimos vencedores do Prêmio Máximo da Bienal.

A exposição é uma contrapartida do projeto de catálogo do Museu da Fotografia Cidade de Curitiba que será lançado em meados de setembro de 2018 durante a exposição.

A mostra é uma Realização da iD Editora Cultural e conta com o incentivo do Grupo Uninter, Pátio Batel, Prefeitura de Curitiba por meio da Fundação Cultural de Curitiba e tem o apoio de Molduras Festina.

Serviço: Exposição "Fotografia em Transe | Coleção do Museu da Fotografia Cidade de Curitiba”
Abertura: 17 julho 2018, às 19 horas
Local: Museu da Fotografia Cidade de Curitiba (Solar do Barão – Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533)
Período de permanência: 18 de julho a 07 de outubro de 20
Dias de visitação:
De terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h
Sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h
Maiores informações: 3321-3260
Entrada Franca

(Fonte: FCC)



[Paiol Musical] VIOLA, SAMBA E LOOP

                                  

O projeto "Viola, Samba & Loop" surge das múltiplas frentes artísticas em que Dani Zan atua. Intérprete, compositora e multi-instrumentista, aos 24 anos já passou por uma intenso trabalho junto a viola-caipira; dentro da MPB, gravou o disco "Donna Duo" com composições inéditas, financiado com a ajuda dos fãs por meio da plataforma Catarse.me e em 2017 lança seu primeiro trabalho solo intitulado "Dinheiro"; suas composições pouco a pouco ganham notoriedade dentro de festivais nacionais, como no Festival de Clipes e Bandas, ou mesmo o internacional Making Waves Music produzido pela Volvo Ocean Race. Identifica-se com essa concepção de intertextualidade, na mistura de gêneros genuinamente brasileiros ao pop, que representa a característica marcante de seu trabalho. 

Como novo desafio, em 2017 Dani começa a trabalhar com Loop station (equipamento capaz de construir "overdubs" ao vivo, através de beatbox, guitarra, voz e outros recursos) aliando tecnologia à música, e obtendo uma nova gama de possibilidades sonoras. Incrementando esta concepção sonora, "Viola, Samba e Loop" traz como convidado o também looper Thiago Alvarenga (conhecido como Titcho Looper, considerado um dos melhores loopers do mundo pela Roland) para compor um espetáculo inédito e surpreendente, que conta também com a participação de Érica Silva, contrabaixista, que traz frescor e jovialidade ao projeto, somado as percussões de Marcio Rosa, músico que acompanha Dani em toda sua trajetória. 

O repertório é composto de canções autorais, que vão do ineditismo de "É tudo Tom Jobim", parceria com o bandolinista e violonista Eduardo Ramos, à premiada canção "Amor Gramatical".

Ingresso: 10 | 5
Data(s): 20/07/2018 a 21/07/2018 - 6ª feira e sábado
Horário(s): 20h
Público Dirigido: não
Espaço Cultural:
(Fonte: FCC)


Em Curitiba: MuMA] JEDICON PR 2018
                                   

Evento de apreciadores e fãs da saga criada por George Lucas, promovendo um encontro festivo da comunidade de fãs de ficção científica e fantasia em geral, para novos e antigos apreciadores. 
Consulte a programação em: https://www.facebook.com/conselhojedipr/

Ingresso: gratuito
Data(s): 21/07/2018
Horário(s): (SÁB) 10h ~ 20h
Público Dirigido: não
Classificação: livre
Espaço Cultural:

(Fonte: FCC)


Exposição discute pintura e videoarte no Museu de Arte Municipal de Curitiba



Exposição discute pintura e videoarte no Museu de Arte Municipal de Curitiba



O MuMA - Museu de Arte Municipal de Curitiba tem o prazer de apresentar, a partir de 19 de julho, a exposição “Desdobramento Pictórico / Videre”, do artista Tony Camargo com curadoria de Arthur do Carmo. Na mostra, formada apenas por trabalhos inéditos em vídeo, o artista reflete como a pintura pode ser atravessada por novas tecnologias, reunindo performance, videoarte, cinema, instalação e a própria ideia de pintura em um mesmo objeto.

Utilizando cenários do nosso cotidiano, como depósitos, ferros-velhos, garagens e o próprio museu em que acontece a mostra, o MuMA, o artista recria ambientes usando os objetos que pertencem a cada um desses lugares, encontrando assim a vocação pictórica de objetos comuns. Para o curador Arthur do Carmo, a mostra, além de ser uma exibição valiosa de trabalhos inéditos, permitirá o acesso ao público de materiais que são utilizados no processo de criação do artista. “Há muito tempo procuro exibir esses materiais de processo do Tony, porque apesar de serem apenas uma informação a mais na sua produção pictórica, seus tecidos e plaquinhas de produtos que não existem condensam muito bem as ideias centrais do que o artista realiza.”, comenta.

Reconhecer um objeto comum nos vídeos de Tony Camargo é se deparar com um estranhamento. Uma linha listrada inserida pelo artista digitalmente através do computador se confunde com um aparelho de ginástica também pintado com listras. Balões, desses de festas, somem por dentro dos tecidos que o artista utiliza para se cobrir ou então estouram sem que a gente possa entender muito bem onde eles foram parar. Os vídeos do artista são curtos, duram entre 30 segundos ou menos. Entretanto, nesse pouco tempo, muitas coisas acontecem.

A mostra irá ainda trazer os artistas Daniel Acosta (RS, 1965) e Matheus Rocha Pitta (MG, 1980) para uma conversa aberta com o público, nos dias 20 e 22 de julho, às 19h e 15h, respectivamente. A artista e arte-educadora Juliana Burigo também irá ministrar uma oficina para crianças acima de 6 anos no dia 28 de Julho às 9h. As inscrições são limitadas e podem ser realizadas no local ou pelo telefone 3329-2801.

A abertura da mostra acontece dia 19 de julho, na próxima quinta-feira às 19h e segue em cartaz até o dia 21 de agosto. 

O projeto Desdobramento Pictórico foi aprovado no Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná, Profice, da Secretaria de Estado da Cultura e recebeu apoio da Copel .

Serviço:
Desdobramento Pictórico / Videre
Onde: MuMA – Museu Municipal de Arte. Av. República Argentina, 3430, Portão / Curitiba/PR.
Quando: Abertura dia 19/07 às 19h. Visitação: entre os dias 20/07 até 21/08. De terça a domingo das 10h às 19h.
Entrada gratuita.

Conversa com Daniel Acosta
Quando: dia 20/07 às 19h
Onde: MuMA – Museu Municipal de Arte. Sala Roseli Giglio. Av. República Argentina, 3430, Portão. Curitiba/PR.
Entrada Gratuita
Conversa com Matheus Rocha Pitta
Quando: dia 22/07 às 15h
Onde: MuMA – Museu Municipal de Arte. Sala Roseli Giglio. Av. República Argentina, 3430, Portão. Curitiba/PR.
Entrada Gratuita

Oficina de arte-educação com Juliana Burigo
Onde: MuMA – Museu Municipal de Arte. Sala 1.

Av. República Argentina, 3430, Portão. Curitiba/PR.
Quando: dia 28/07 das 9h às 12h
Inscrições no local ou pelo telefone 41- 3329-2801
Vagas limitadas. Para maiores de 6 anos.

(Fonte: Bem Paraná)




Curitiba recebe a arte circense do tradicional Tihany

Curitiba recebe a arte circense do tradicional Tihany

O circo Tihany Spectacular traz a Curitiba o espetáculo “AbraKdabra”, com o seu tão esperado show de ilusionismo, em curta temporada. A estreia na cidade acontecerá amanhã (20), em uma localização privilegiada – ao lado do antigo Estádio do Pinheirão, com estacionamento para cerca de 900 veículos. O espetáculo é patrocinado pela SulAmerica, com apoio do Açúcar Guarani.

Criador de um novo conceito estético dentro do circo, com elevados níveis de elegância, plasticidade e beleza, sempre em busca de modernizar esta arte milenar, Tihany reúne o melhor da dança, acrobacia, comicidade e ilusionismo, incorporando elementos tecnológicos nunca antes vistos sob uma lona. As apresentações acontecerão de terça a quinta às 20h; sextas e sábados às 16h30 e 20 horas; e domingos e feriados às 14h, 16h30 e 20 horas. 

Em 64 anos de Circo Tihany, pela primeira vez o espetáculo traz um cômico brasileiro entre os seus números. Rodrigo Garcia, consagrado como um dos melhores do mundo em sua categoria, integra o staff artístico durante a temporada em Curitiba. Outra surpresa é a estreia de novas produções coreográficas, com alguns atos renovados, mas com o mesmo glamour e luxo que são marcas características do espetáculo.

Tradição 
Terceiro maior circo do mundo e o maior da América Latina, com mais de 60 anos de atividades e 100 milhões de espectadores, o Tihany Spectacular realizou apresentações em cerca de 600 cidades espalhadas por 50 países no mundo. Fundado em 1954, em Jacareí (SP), pelo imigrante húngaro Franz Czeisler, conhecido como Tihany, sempre aliou a arte tradicional à tecnologia, conquistando públicos de todas as idades e de diferentes classes sociais.

Na atualidade, é um dos poucos espetáculos que une técnicas circenses, music hall e atos impressionantes de mágica, dignos dos melhores cassinos de Las Vegas.A magia é o ponto alto do espetáculo. No Tihany, pode-se voar. O ilusionista faz o espectador acreditar no teletransporte. É possível apreciar um autêntico Rolls-Royce e presenciar o desaparecimento de motocicletas e de 40 artistas diante dos olhos dos espectadores e o surgimento mágico, em apenas três segundos, de um helicóptero no centro do palco.

SERVIÇO
Circo Tihany Spectacular– AbraKdabra
Onde: Av. Victor Ferreira do Amaral, 2.170, Tarumã, Curitiba/PR – ao lado do antigo Estádio do Pinheirão
Quando: Estreia nesta sexta-feira (20), às 20h. Temporada de 20 de julho a 20 de setembro. De terça à quinta, às 20h; sextas e sábados, às 16h30h e 20h; domingos e feriados, às 14h, 16h30 e 20h
Quanto: De R$ 50 (plateia geral) a R$ 150 (plateia premium frontal numerada), com valores intermediários dependendo do setor
Venda de ingressos: Nas bilheterias do circo, de segunda a domingo, de 10h até 30 minutos depois do início do último espetáculo e pelos siteswww.circotihany.com.br/ingressos e www.eventim.com.br

(Fonte: Bem Paraná)



Teatro em Curitiba: A Visita da Velha Senhora
A Visita da Velha Senhora
A atriz Denise Fraga retorna a Curitiba com o espetáculo "A Visita da Velha Senhora", nos dias 26, 27 e 28 de julho, no Teatro Guaíra. Esta curta temporada encerra uma trilogia de grande sucesso: nos últimos anos, ela esteve na cidade com os espetáculos "A Alma Boa de Setsuan" e "Galileu Galilei", arrebatando o público e consolidando sua plateia na cidade. Ingressos já estão à venda a R$ 60 (plateia) e R$ 50 (balcão).

Serviço
"A Visita da Velha Senhora" no Teatro Guaíra
Data: dias 26, 27 e 28 de julho, quinta-feira a sábado
Horário: 21h
Ingressos: R$ 60,00 – Plateia | R$ 50,00 Balcão
Local: Teatro Guaíra - Rua XV de Novembro, 971 - Centro, Curitiba – PR

(Fonte: Bem Paraná)




Orquestra Sinfônica do Paraná está em turnê pelo estado

                               


De 20 a 23/07, às 20h30, os palcos de Apucarana, Arapongas, Londrina e Maringá serão da Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP). O concerto será regido pelo maestro convidado Marcos Arakaki e contará com cinco obras: Ruslan e Ludmila, de Mikhail Glinka, Batuque, de Alberto Nepomuceno, Dança Eslava nº8, de Antonín Dvórak, Abertura do Festival Acadêmico, de Brahms e Sinfonia nº8, de Beethoven.

A turnê da OSP começa na Catedral Nossa Senhora de Lourdes, em Apucarana, segue para o Cineteatro Mauá, de Arapongas, Teatro Ouro Verde, de Londrina e se encerra no Teatro Calil Haddad, de Maringá. 


Saiba mais sobre as peças que serão apresentadas pela orquestra na turnê:
Ruslan e Ludmila – abertura, do compositor Mikhail Glinka

Esta música faz parte da abertura da ópera Ruslan e Ludmila, que estreou em 1842, no Teatro Bolshoi Kamenny, em São Petesburgo. Inicialmente, a ópera foi recebida com receio do público russo, que havia se acostumado ao modelo das óperas italianas. O número de abertura possui 5 minutos de duração e é uma sucessão temas enérgicos, tocados primeiramente de forma vigorosa, seguida por tons melancólicos e finalizando com um movimento alegre.
Sinfonia nº8, do compositor Ludwig Van Beethoven

O primeiro concerto da Sinfonia nº8 foi regido em 1814 pelo próprio Beethoven., quando o compositor já estava em estágio avançado de surdez. A obra não foi recebida com entusiasmo na época. Poucos reparavam nos detalhes e nas dificuldades técnicas de cada movimento, em contraste com a grandiosidade das demais sinfonias de Beethoven. Com 25 minutos de duração, é a sinfonia mais curta do compositor.
Batuque, do compositor Alberto Nepomuceno

O brasileiro Alberto Nepomuceno viveu no Ceará no final do século XIX e início do século XX. A música Batuque foi uma das primeiras composições nacionais que tem como referência os ritmos populares. A peça, inicialmente chamada de Dança dos Negros, foi composta um ano antes da abolição da escravatura no Brasil e traz referências da música afro-brasileira.
Abertura do Festival Acadêmico, de Brahms

Composta para a Universidade de Breslau, na Polônia, como forma de agradecimento pelo título de doutor honorário concedido a Brahms em 1881. A música reúne uma série de canções comuns do meio universitário da época. A Abertura do Festival Acadêmico foi apresentada pela primeira vez para os estudantes da universidade pelo próprio Brahms.
Dança Eslava Op. 46 nº8, do compositor Antonín Dvórak

Inspirada nas Danças Húngaras de Brahms, a Dança Eslava é inspirada nas danças tradicionais checas, especialmente na região da Morávia. A peça faz parte de uma série de 16 danças eslavas, todas com ritmos marcados e alegres. O compositor abraçou o espírito de diversão das danças populares e as transformou em obras para serem apreciadas não só por bailarinos, mas também para quem gosta apenas de ouvir uma boa música.

Serviço
Turnê da Orquestra Sinfônica do Paraná
Dia 20/07, 20h30, Catedral Nossa Senhora de Lourdes (Apucarana)
Dia 21/07, 20h30, Cineteatro Mauá (Arapongas)
Dia 22/07, 20h30, Teatro Ouro Verde (Londrina)
Dia 23/07, 20h30, Teatro Calil Haddad (Maringá)

(Fonte: Teatro Guaíra)


[Memorial de Curitiba] 2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE PERCUSSÃO DE CURITIBA

                            


O Festival mescla em suas atividades o ensino, a performance, a pesquisa e a formação de plateia. A segunda edição do FIP Curitiba, conta com uma programação composta por importantes músicos do mundo, a fim de exibir um recorte do panorama mundial da música, por meio da percussão.

O Projeto foi idealizado por Vina Lacerda e realizado com o Programa de Apoio e Incentivo à Cultura - Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. Programação Completa em: https://www.facebook.com/FIP-Curitiba-Festival-Internacional-de-Percuss%C3%A3o-de-Curitiba-1571200016521059/

Ingresso: 2 | 1 (o projeto conta com ações formativas gratuitas)
Data(s): 16/07/2018 a 22/07/2018 - 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª feira, sábado e domingo
Horário(s): Programação completa pelo evento no Facebook.

(Fonte: FCC)



Caixa Cultura, em Curitiba: Bia Bedran em VillaLoBiando



Data: 21/07/2018 a 22/07/2018
Horário: sábado, às 15h e às 18h; e domingo, às 17h.
Horário da Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 16h às 19h.)
Local: Teatro
Entrada: vendas a partir de 14 de julho (sábado). 
Valor do Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura. 

                            

Curitiba recebe, nos dias 21 e 22 de julho, o recital VillaLoBiando protagonizado pela cantora Bia Bedran. Com uma carreira de mais de 40 anos dedicada à música, Bia Bedran usa sua força narrativa para resgatar a memória do grande compositor brasileiro a partir de suas canções.

Villa-Lobos

Heitor Villa-Lobos (1887-1959) compôs cerca de 1.000 obras e sua importância reside, entre outros aspectos, no fato de ter reformulado o conceito de nacionalismo musical, tornando-se seu maior expoente. Foi, também, através de Villa-Lobos que a música brasileira se fez representar em outros países, culminando por se universalizar. Na década de 1930, preocupado com o ensino da música nas escolas brasileiras, Villa-Lobos desenvolveu um programa de educação musical inspirado no cancioneiro infantil.

(Fonte: Caixa Cultural)


Festival de Inverno do Centro Histórico de Curitiba



Acesse AQUI a programação completa.


 Cinemateca de Curitiba - Curtas Infantis

(Brasil, curtas, livre)

O MISTÉRIO DO CACHORRINHO PERDIDO
MÃOS DE VENTO E OLHOS DE DENTRO
MINHA RAINHA
A PESTE DA JANICE
RAUL DA FERRUGEM AZUL


Ingresso: gratuito

Data(s): 24/07/2018

Horário(s): 15h

Público Dirigido: não

Classificação: livre

Espaço Cultural: Cinemateca de Curitiba
Endereço: Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 - São Francisco, Curitiba


(Fonte: Fundação Cultural de Curitiba)


Clube de Leitura de Ponta Grossa discute obra sobre mulheres iranianas


Clique AQUI para informações.




Icônico, Nelson Mandela completa 100 anos. Veja cinco filmes sobre o ativista

Icônico, Nelson Mandela completa 100 anos. Veja cinco filmes sobre o ativista


O príncipe tribal que virou guerrilheiro. O guerrilheiro que virou ativista. O ativista que virou preso político. O preso político que virou presidente. O presidente que virou exemplo. O exemplo que virou mito. Esse é Nelson Mandela, que hoje completa 100 anos de existência. Ou, para seu povo, “Madiba”.

Nascido em 18 de julho de 1918, em Mzevo (África do Sul), em uma família de nobreza tribal, ele poderia simplesmente ocupar um cargo de chefia da tribo. Mas descartou essa ideia. Foi para Johannesburgo, trocando a vida rural pela faculdade de Direito. Transformou-se em advogado e virou líder da resistência não-violenta da juventude. Mas também virou réu em um julgamento por traição. Foragido, tornou-se depois o prisioneiro mais famoso do mundo. Foi preso em 1962 – quando o regime racista de governo sul-africano, o apartheid, estava por cima – e em 1964 recebeu uma sentença de prisão perpétua. Ficou mais de 27 anos na Ilha de Robben, perto da Cidade do Cabo. Acabou libertado em fevereiro de 1990, após negociações finalizadas pelo então presidente Frederik de Klerk, — “o mais sério e honesto dos líderes brancos” com quem Mandela diz ter negociado. A partir daí, Madiba deu uma estupenda volta por cima: tornou-se o maior símbolo da luta pela igualdade racial, ganhou um prêmio Nobel (em 1993) e foi eleito presidente da África do Sul (em 1994). Ao terminar o mandato, entrou para a história pelo ativismo em prol da igualdade racial. Essa imagem manteve-se mesmo depois de sua morte, em dezembro de 2013, aos 95 anos. 

Um personagem assim não poderia passar batido sem registros no cinema. E eles ocorreram. Vários documentários o retrataram, como ‘Mandela: Son of Africa, Father of a Nation’, de 1996, que fala sobre a vida de Mandela desde a adolescência e foi indicado ao Oscar da categoria. Ou ‘Shall Never Lose Hope’, de 1984, feito quando o ativista ainda estava preso e que traz entrevistas com a filha dele, Zindzi, e a mulher, Winnie. Ou ‘Countdown To Freedom: Ten Days that Changed South Africa’, de 1994, sobre os dias que antecederam a vitória de Nelson Mandela nas primeiras eleições livres da África do Sul.

Também houve superproduções com atores hollywoodianos no papel de Mandela. Morgan Freeman estrelou a mais famosa delas, ‘Invictus’, com direção de Clint Eastwood, que traz Madiba e a campanha da África do Sul no Mundial de Rugby em meio a um país que está se reerguendo enquanto sedia a competição. Freeman foi indicado ao Oscar de melhor ator pelo papel – e Matt Damon, que contracena com ele, foi indicado como melhor coadjuvante. Já o mais recente é ‘Mandela: o Caminho para a Liberdade’, com Idris Elba no papel do ativista. O filme foi lançado em 2013 e é baseado na autobiografia de Mandela.

Cinco filmes com Mandela


‘Mandela’ (1987)
Ator que interpreta Mandela: Danny Glover 



(da série ‘Máquina Mortífera’)
O filme de Philip Saville traz os anos de ativismo político de Mandela entre as décadas de 40 e 50, até ele ser condenado à prisão. Isso o forçou a se separar de Winnie Mandela (Alfre Woodard, de ‘Retratos de Uma Realidade’). Mesmo assim, ela sempre lutou pela liberdade dele e também virou uma ativista política.

‘Mandela e De Klerk’ (1997)
Ator que interpreta Mandela: Sidney Poitier
(‘Ao Mestre com Carinho’)
Dirigido por Joseph Sargent, o filme foi feito para a televisão. O roteiro traz desde a prisão de Mandela em 1964 até sua libertação em 1990, graças a uma negociação finalizada pelo então presidente sul-africano Frederik De Klerk (Michael Caine, da trilogia ‘Batman’ dirigida por Christopher Nolan). Em 1993, os dois dividiram o prêmio Nobel da Paz.



‘Mandela: A luta pela Liberdade’ (2007)
Ator que interpreta Mandela: Dennis Haysbert 



(da série ‘24 Horas’)
A história dirigida pelo dinamarquês Billie August é baseada nas memórias do guarda James Gregory (Joseph Fiennes, de ‘Shakespeare Apaixonado’), um guarda sul-africano racista. Ao manter contato com Mandela durante 20 anos na prisão da Ilha de Robben, Gregory vai mudando sua opinião sobre o regime do apartheid.

‘Invictus’ (2009)
Ator que interpreta Mandela: Morgan Freeman 
(de ‘Todo Poderoso’)
Mandela detestava rugby, um esporte da elite branca. Mas em 1995, em seu primeiro ano como presidente da África do Sul – que iria sediar o Mundial – ele percebeu o potencial do esporte para unificar a população. E começou a interagir com o capitão do time sul-africano, Steven Pienaar (Matt Damon, da trilogia ‘Jason Bourne’). O filme é de Clint Eastwood.



‘Mandela: Caminho para a Liberdade’ (2013)
Ator que interpreta Mandela: Idris Elba 
(da série ‘Luther’)
O longa de Justin Chadwick é baseado na autobiografia de Mandela – escrita em 1994 – e foi lançado quando o líder sul-africano já estava com 95 anos e graves problemas de saúde. Traz todo o percurso traçado pelo líder sul-africano a partir de seu próprio ponto de vista, desde a aldeia em que nasceu até a libertação, passando pelo casamento com Winnie (Naomie Harris).

(Fonte: Bem Paraná)


Meia Maratona de Cascavel Uninter 2018


Realuzação: ACORRER E NOSSOTIME

Os valores e prazos das inscrições serão os seguintes: 

21Km - Lote 1 (Até 18 de junho) – R$ 55,00 + taxa do site (Kit básico) ou R$ 80,00 + taxa do site (Kit completo). 

21Km - Lote 2 (Até 18 de julho) – R$ 65,00 + taxa do site (Kit básico) ou R$ 90,00 + taxa do site (Kit completo) 

10 Km - Lote 1 (Até 18 de junho) – R$ 50,00 + taxa do site (Kit básico) ou R$ 75,00 + taxa do site (Kit completo) 

10km - Lote 2 (Até 18 de julho) – R$ 60,00 + taxa do site (Kit básico) ou R$ 85,00 + taxa do site (Kit completo) . 

5km - Lote 1 (Até 18 de junho) – R$ 45,00 + taxa do site (Kit básico) ou R$ 70,00 + taxa do site (Kit completo) 

5km - Lote 2 (Até 18 de julho) – R$ 55,00 + taxa do site (Kit básico) ou R$ 80,00 + taxa do site (Kit completo) 


(Fonte: Cascavel Portal da Cidade)


Concerto Internacional de Gala


Data final do evento: 26/07/2018

Local: Teatro Municipal de Cascavel - Cascavel /PR

O Membra Vocal é um grupo independente de canto erudito, fundado em julho de 2013, na cidade de Cascavel no Paraná composto por quarenta vozes, e trinta e dois instrumentistas. Os integrantes do Membra Vocal contam com a orientação do experiente maestro e professor de canto lírico, Chanceller Jocimar Silva detentor de um notável currículo na área da música. Uma vez por ano realizamos um grande espetáculo no mês de outubro que nominamos de “Noite de Gala”, e tem como objetivo trazer à luz compositores clássicos, e a música erudita. Acreditamos que temos nossa função na sociedade, e que, ao cumprirmos esta função, contribuímos para formação integral do indivíduo. Qualquer pessoa física ou instituição que nos ajude a difundir a música, estará também participando da transformação que a cultura propicia à sociedade. Almejamos levar cada vez mais o público de Cascavel e Região a conhecer e apreciar a música erudita.

(Fonte: Cascavel Portal da Cidade)


14ª etapa do Circuito SESC Caminhada e Corrida de Rua acontece em 29 de julho em União da Vitória



    









Todas as informações podem ser encontradas AQUI.               


EM MARINGÁ - CONVITE À MÚSICA: ′Dois continentes, uma emoção′


CONVITE À MÚSICA: ′Dois continentes, uma emoção′

Quando: 19/07/2018 (Qui.) 
Horários: 20h00
Onde: Auditório Luzamor
Quanto: Entrada Gratuita

Programação
O espetáculo "Dois Continentes uma Emoção" onde dividirão o palco uma orquestra de mandolinos (Hathor Plectrum Quartet - Puglia / Itália), orquestra de cordas (Quinteto de Cordas - Maringá / PR) e canto lírico (Etcheverry Santi Rebelatto - Francisco Beltrão / PR), fundindo culturas e trazendo a beleza da música italiana para o Paraná.

(Fonte: O Portal da Cidade de Maringá)


COMEMORAÇÃO: 1
10 anos Imigração Japonesa no Brasil - IMIN110

Quando: 19/07/2018 (Qui.) a 22/07/2018 (Dom.)

Onde: Parque Internacional de Exposições

Quanto: R$ 5,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

                   COMEMORAÇÃO: 110 anos Imigração Japonesa no Brasil - IMIN110


Programação

Maringá sedia, entre os dias 19 e 22 de julho, o evento nacional que celebra, em 2018, os 110 anos da imigração japonesa no Brasil.

A Expo Imin 110 acontecerá no Parque de Exposições Francisco Feio Ribeiro. A festa será aberta a toda comunidade com ingressos no valor de R$ 5 e R$ 3 (meia-entrada).

O evento terá apresentações artísticas e culturais, shows, concurso de cosplays, animes, e culinária tipicamente oriental. No dia 20 recebe a princesa japonesa, Ako de Akishino, do vice primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, e do embaixador, Akira Yamada. A equipe da Turma da Mônica, o desenhista Maurício de Souza e o grupo Animeingá também são presenças confirmadas.

As redes de ensino municipal, estadual e particular participaram de atividades trabalhando a imigração japonesa em desenhos, cartazes, mangás, frases e redações. O objetivo é reconhecer as contribuições da comunidade nipônica para o desenvolvimento do município e a importância de preservar a cultura e as tradições japonesas. Os vencedores estarão expondo seus trabalhos durante a Expo Imin 110.

A cada 10 anos a memória dos pioneiros é celebrada em grandes eventos nacionais. O estado do Paraná é o segundo estado brasileiro com maior número de descendentes. Atualmente em Maringá a colônia japonesa tem cerca de 30 mil pessoas.




Dia: 19/07 - Quinta-feira

Pavilhão Azul:

- Abertura do Pavilhão – 17h00

- Desfile de moda – A influência da moda japonesa na moda brasileira do Paraná – 19h30

- Matsuri Dance- Dança Japonesa coreografada – Grupo da Acema – 20h30

Pavilhão Branco:

- Concurso Abrac – Congresso Geral (regionais e jurados da Abrac) – 18h00




Dia: 20/07 - Sexta-feira

Praça de Alimentação – 10h00 às 23h00.

Pavilhão Azul:

- Abertura do Pavilhão – 10h00

- Desfile de Moda – A influência da moda japonesa na moda brasileira do Paraná – 14h00

- Workshop, culinária japonesa Chef Takaaki – 14h00

- Festival de karaokê kids com os personagens da Turma da Mônica – Sessão de fotos com o Cebolinha, Mônica, Tikara e Keika – 14h30

- Desfile de moda – A influência da moda japonesa na moda brasileira do Paraná – 15h45

- Apresentação dos grupos folclóricos – Etniash Alemão, Fogança e Capoeira – 20h00

- Encerramento das atividades no pavilhão – 22h00

Arena Coberta:

- Seleção de músicas japonesas nos telões da arena – 15h30

- Apresentação da Orquestra Filarmônica da Unicesumar – 17h15

- Desfile de moda – A influência da moda japonesa na moda brasileira do Paraná – 17h30

- Abertura oficial da Expo Imin 110 – Cerimônia Internacional com a Princesa Mako – 18h00

- Bon Odori – Dança folclórica japonesa coletiva – 20h00

Pavilhão Branco:

- Abertura do pavilhão – 07h30

- Concurso Abrac  – 08h00




Dia: 21/07 - Sábado

Praça de alimentação – 10h00 às 23h00.

Pavilhão Azul:

- Abertura do pavilhão – 10h00

- Workshop, culinária japonesa Chef Takaaki – 10h00

- Campeonato de e-Sports – Animeingá – 12h00

- Workshop, culinária japonesa Chef Takaaki – 14h00

- Encerramento das atividades no Pavilhão Azul – 23h00

Arena Coberta:

- Abertura da arena – 09h00

- Taiko – Workshop 1ª parte com grupo japonês e com os grupos do Paraná – 09h15

- Taiko – Workshop 1ª parte com grupo japonês e com os grupos do Paraná – 13h30

- Abertura do Concurso de Cosplay da Animeingá com show da cantora Ayu Brazil – 16h15

- Concurso de Cosplay com desfile de fantasias de animes e premiação – 18h00

- Show dos grupos de Taiko do Paraná com a participação do Taiko Japonês – 20h30

Pavilhão Branco:

- Abertura do pavilhão – 07h00

- Concurso Abrac – 08h00





Dia: 22/07 - Domingo

Praça de Alimentação: 10h00 às 23h00

Pavilhão Azul:

- Abertura do pavilhão – 10h00

- Campeonato de e-Sports – LOL (League of Legends) – 12h00

- Workshop de culinária japonesa com Chef Takaaki – 14h00

- Encerramento das atividades – 20h00

Arena Coberta:

- Show da cantora Ayu Brazil – 16h00

- Premiação do concurso de cosplay – 17h45

Pavilhão Branco:

- Abertura do pavilhão – 07h00

- Concurso Abrac – 08h00

- Show concurso Abrac – 15h00

- Premiação concurso Abrac – 15h46

- Concurso Abrac – Grand Prix – 18h46

- Encerramento das atividades no pavilhão – 20h00


(Fonte: Portal da Cidade de Maringá)




Em Maringá - SHOW: Janine Mathias convida Criolo

Quando: 21/07/2018 (Sáb.) 
Horários: 20h00
Onde: Teatro Calil Haddad
Quanto: Entrada Gratuita - opção de ingresso social (doação de 1 agasalho destinado a Provopar)


                            SHOW: Janine Mathias convida Criolo

Programação
O encontro dos dois artistas, promovido pelo Sesi Cultura Paraná, terá como fio condutor a mútua paixão pelo rap e a batida do samba. 

Com sua rouquidão suave, ela faz o rap flertar com o samba e o jazz. E com um pouco mais de quatro anos de carreira, já realiza shows com parcerias musicais de peso como Karol Conka e agora Criolo.

Ela é Janine Mathias. Nascida no berço boêmio de Brasília, radicada em Curitiba e sucesso no Brasil. Em 2018, a artista lança o seu novo álbum “Dendê” e, antes mesmo de passar por Curitiba ou São Paulo, pousa em Maringá para comemorar o seu mais recente trabalho com um convidado ilustre, o cantor Criolo – que fará uma participação especial durante o show. A ação é do Sesi Música e acontece no dia 21 de julho, às 20h, com entrada franca, no Teatro Calil Haddad.

Composto por 10 faixas, “Dendê” é o primeiro CD solo de Janine. O álbum tem participação de Rincon Sapiência e integra canções de Leandro Lehart, Martinho da Vila, Tássia Reis e Val Andrade, além de composições da própria cantora. Conhecida por valorizar a MPB, Música Preta Brasileira – como declara a artista, já na abertura de seu trabalho atual, ela canta a autoestima da mulher negra com “Pérola Negra”. O álbum tem espaço para o funk, o samba romântico, o rap e até o maracatu.

No show do Sesi Música em Maringá, Janine divide o palco com Criolo, que participará com oito músicas ao lado da cantora. Um apreciador de sambas e fados, Criolo é compositor de canções contundentes, com versos fortes e críticas sociais expressivas. O artista conquistou mais de 15 prêmios, fez centenas de shows no Brasil e teve discos lançados na Europa e Estados Unidos. Já se apresentou ao lado de Caetano Veloso e Milton Nascimento, além de ter composições registradas em álbuns de Ney Matogrosso, Tom Zé e Gal Costa. No final de abril, lançou o seu primeiro álbum de sambas autorais com o objetivo de enaltecer o samba de maneira profunda e respeitosa.

A entrada é franca, com a opção de ingresso social e a doação de um agasalho que será destinado a Provopar. A troca poderá ser feita no dia da ação, na bilheteria do espaço, com uma hora de antecedência (espaço sujeito a lotação).

(Fonte: Portal da Cidade de Maringá)




Apucarana recebe extensão do 38º Festival Internacional de Música de Londrina

                       

Apucarana recebe neste mês de julho, quatro espetáculos dentro do 38º Festival Internacional de Música de Londrina (FML). A programação extensiva foi confirmada nesta semana pela Secretaria da Promoção Artística, Cultural e Turística da Prefeitura de Apucarana (Promatur). “Todos terão entrada gratuita e os ingressos deverão ser retirados a partir de uma hora antes de cada espetáculo, que terão início sempre às 20 horas, limitados a 480 lugares que é a capacidade do Cine Teatro Fênix”, informa Maria Agar Borba Ferreira, secretária Municipal da Promatur.

A primeira atração será a Clube do Choro de Brasília, que se apresenta na quarta-feira (18). No dia 20 de julho, a Orquestra Sinfônica do Paraná fará um concerto de gala na Catedral Nossa Senhora de Lourdes. Dia 22 de julho, será a vez da Ópera Contada João e Maria – uma livre adaptação da ópera de Engelbert Humperdinck. E finalizando no dia 27 de Julho, com o recital de piano com Allan Duarte Manhas.

No dia 18 de julho, às 20 horas, o teatro apucaranense receberá Clube de Choro de Brasília. Com quarenta anos de fundação o Clube do Choro de Brasília segue comemorando e revisitando obras dos grandes compositores da música popular brasileira, trazendo para Apucarana obras-primas de nomes consagrados da nossa música, revistas e atualizadas pelos arranjos e interpretações de alguns dos maiores instrumentistas atualmente em atividade no país.

O grupo Roda de Choro é formado pelos professores Fernando César (violão 7 cordas), Léo Benon (cavaquinho), Sérgio Morais (flauta) e Valerinho Xavier(pandeiro).
Os músicos são professores da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello em Brasília, e atuam no cenário musical brasileiro.
No repertório para o show de Apucarana eles trazem além de clássicos dos grandes mestres do Choro com Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo e Altamiro Carrilho, composições próprias

Mais detalhes sobre os espetáculos da extensão Apucarana podem ser obtidas no site www.apucarana.pr.gov.br ou pelo telefone 3423-2944. O FML é uma realização do Governo do Paraná, Prefeitura do Município de Londrina, Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Associação de Amigos do FML.

(Fonte: Prefeitura da Cidade de Apucarana)


SONORA LONDRINA

                               

O show de lançamento nacional do CD OUTROS PLANOS, do compositor londrinense Bernardo Pellegrini promete reunir no palco todos os músicos que participaram deste novo trabalho, o sexto disco de Pellegrini, artista de projeção nacional que desde os anos 90 grava em estúdios da cidade com músicos londrinenses. O compositor comanda na rádio UEL FM o programa SONORA LONDRINA, em que apresenta e difunde a música produzida na Cidade Sonora, como ele mesmo define. 
Nesta noite especial para os artistas da cidade, Bernardo se apresenta acompanhado de Eduardo Batistella (bateria), Hermano (guitarra), Filipe Barthem (contrabaixo) e Sofia Pellegrini (sax), além de uma dezena de instrumentistas convidados.

Bilheteria: R$30,00 (R$15,00 meia) + Taxa de serviços do site DiskIngressos
Teatro Ouro Verde – R. Maranhão, 85 - Centro

(Fonte: Festival de Música de Londrina)


Sexta em ritmo de blues

Com show na Concha Acústica, Kiko Jozzolino & Grande Elenco preparam a cidade para o 8º Festival Blues de Londrina

Kiko Jozzolino e um grande elenco de músicos da cidade fazem nesta sexta (20) o lançamento do 8º Festival de Blues de Londrina. Fotos: Divulgação
Mistura. Esse é o mote para o primeiro Blues na Concha, evento que, a exemplo do Blues no Lago, serve de aquecimento para a 8ª edição do Festival Blues de Londrina. Com mais 14 músicos convidados, o grupo Kiko Jozzolino & Grande Elenco mostra que o blues pode ir muito além do tradicional, passando também por jazz, soul, reggae, bossa nova, MPB e diversos outros gêneros. 

A apresentação será realizada nesta sexta-feira (20), na Concha Acústica, das 18h30 às 21h – pontualmente – como frisa o guitarrista Kiko Jozzolino, um dos organizadores do festival. Kiko define o show como um presente para a população. "É um evento para a família. Aberto ao público, sem músicas pesadas e somente com músicos que trabalham em Londrina." 

A formação base é composta por Kiko Jozzolino (guitarra), Elieser Botelho Jr. (guitarra), Elthon Dias (bateria), Gabriel Zara (baixo) e Fabrício Martins (teclados). Além deles, há também os convidados: Wendy Miceli (voz), Elaine Fiora (voz), Giovanna Rodrigues (voz), Tiago Menezes (voz), Guilherme Rossini ("Mama Quilla" - bateria), Tonho Costa (voz), Meire Rodrigues (voz), Gisele Silva (voz), Allice Tirolla (voz), Aline Lima (voz), João Vidotti ("Primos da Cida" - voz), Luke de Held (guitarra), Miguel Santos (acordeon) e Filipe Barthem (vários instrumentos). 

No repertório, músicas como "Kiss", de Prince, interpretada por Meire Rodrigues e Tonho Costa, e "Billie Jean", sucesso de Michael Jackson cantado também por Tonho Costa. Partindo sempre do blues, até mesmo o forró tem espaço, como no dueto entre guitarra e acordeon protagonizado por Kiko Jozzolino e Miguel Santos, que também interpretará "El Farol", de Carlos Santana. João Vidotti, também conhecido como Jones, vocalista da banda "Primos da Cida", fica responsável por dois clássicos do repertório de Jimi Hendrix: "Hey Joe" e "All Along the Watchtower". 

Segundo Kiko, o Blues na Concha deve se tornar um evento recorrente antes do festival. A intenção é levar a música à região central da cidade. Além dele, também será realizado o Blues no Lago, evento já tradicional antes do Festival Blues. Este ano, o show será no dia 29 de julho, um domingo, às 17h, no Aterro do Lago Igapó, em frente ao Green Açaí. O Acústico Blues Trio fica encarregado pela apresentação. 

As duas festas são preparações para o 8ª Festival Blues de Londrina, que reúne atrações nacionais e internacionais na cidade. O evento começa no dia 1º de agosto, com apresentações do americano Kenny Brown e do Acústico Blues Trio, e se estende até o dia 4 de mesmo mês. Todos os shows são realizados no Bar Valentino (rua Pref. Faria Lima, 486), às 21h. Os ingressos para o festival custam R$ 100 (inteira), R$ 50 (meia) e R$ 400 (mesa p/ 4 pessoas). Todos pagam R$ 50 no 1º lote. As entradas podem ser comprados pelo Disk Blues, fone (43) 3357-1392, e nas lojas 5aSec (avenida Higienópolis, 533; avenida Maringá, 817; e Shopping Catuaí). 



Meire Rodrigues e Elaine Fiora: vozes femininas que participam do Blues na Concha

(Fonte: Folha de Londrina)


Camerata Antiqua de Curitiba faz concerto em Foz sexta

                               Camerata Antiqua de Curitiba faz concerto em Foz sexta

A Camerata Antiqua de Curitiba faz concerto gratuito nesta sexta-feira, 19, às 20h, no Cineteatro dos Barrageiros, no PTI (Parque Tecnológico Itaipu), em Foz do Iguaçu. A entrada é gratuita. A turnê do grupo pela região inclui a participação no Festival de Música de Cascavel. Antes, a camerata apresentou-se na Sala São Paulo e no Festival Campos do Jordão.

O concerto Cartas e Provérbio reunirá obras conhecidas do público. O programa terá três obras de Johann Sebastian Bach (1685-1750), “Oração de São Francisco”, de Antônio Ribeiro (1971), “Provérbios”, de Osvaldo Lacerda (1927-2011), entre outras canções. Serão 20 cantores e orquestra com 20 instrumentistas de cordas, sob a regência da maestrina Mara Campos.

A presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, destaca a importância da circulação artística. “A participação da Camerata Antiqua nos festivais de São Paulo e Cascavel, na Sala São Paulo e em Foz do Iguaçu demonstra a maturidade da Camerata, o que orgulha muito nossa cidade”, frisou. 

Os concertos pelo interior do Paraná são promovidos pela Fundação Cultural de Curitiba, Instituto Curitiba de Arte e Cultura e Ministério da Cultura. O projeto tem o apoio da Itaipu Binacional, Hotéis Mabu, RPC (Rede Paranaense de Comunicação) Unespar (Universidade Estadual do Paraná).

As inscrições são feitas pelo https://webforms.pti.org.br/CamerataAntiqua. Quem participar poderá doar espontaneamente 1kg de alimento. 

Trajetória

A Camerata Antiqua de Curitiba foi criada em 1974, sendo constituída de coro e orquestra. O grupo é mantido pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC) e administrado pelo Instituto Curitiba de Arte e Cultura. Com oito discos e seis CDs lançados, a camerata baseia o seu trabalho em repertório musical antigo e contemporâneo.

Camerata Antiqua de Curitiba
Data: 20 de julho (sexta-feira), às 20h 
Local: Cineteatro dos Barrageiros, no PTI
Entrada gratuita 
Ônibus sairão do credenciamento junto à barreira, das 18h30 às 19h45

(Fonte: FCC)


ESPETÁCULOS ANTONINA - 14 A 21 DE JULHO

                              

Todos os espetáculos têm entrada franca.

Para as apresentações das 18h30 na Igreja São Benedito e das 20h no Theatro Municipal Maestro Dr. Roberto Cristiano Plassman, é preciso retirar o ingresso na bilheteria do teatro, entre 12h e 15h, no dia da apresentação.

Serão entregues no máximo dois ingressos por pessoa. Acesse informações AQUI. 

(Fonte: UFPR)



[Cinemateca] MOSTRA DE CINEMA NEGRO BRASILEIRO


Além da exibição de filmes, a mostra desenvolve a mesa de abertura intitulada "O que é Cinema Negro?" no dia 27, às 18h30 e um debate no dia 29, às 19h.

BUP
Diretora Dandara de Morais Santos. Um tributo ao silêncio. Olá, ansiedade! Que pena que saí do útero. Elenco: Dandara de Morais 
CCC 10

PELE SUJA, MINHA CARNE 
Diretor Bruno Ribeiro. João toma banho após mais uma pelada com seus amigos brancos. Elenco: Diego Francisco, André Muniz e Fernanda Dias 
CCC Livre

NADA 
Diretor Gabriel Martins. Bia, que acaba de completar 18 anos, está quase no fim do ano e as provas do vestibular estão chegando. Mesmo sendo pressionada por parte dos pais e de todo mundo na escola para decidir o que cursar, Bia não quer fazer nada. Elenco: Clara Lima, Karine Teles, Bárbara Sweet, Rejane Faria, Pabline Santana, Renato Novaes, Carlos Francisco 
CCC Livre

RAPSÓDIA PARA O HOMEM NEGRO 
Diretor Gabriel Martins. Odé é um homem negro. Seu irmão, Luiz, foi espancado até a morte durante um conflito em uma ocupação em Belo Horizonte. O filme utiliza alegorias para contextualizar as relações políticas e raciais no cenário social brasileiro. Elenco: Sergio Pererê, Carlos Francisco, Rejane Faria 
CCC 12

TRAVESSIA 
Diretora Safira Moreira. Utilizando uma linguagem poética, Travessia parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro. Elenco: não informado 
CCC Livre

FANTASMAS 
Diretor André de Novas Oliveira. O fantasma da ex. Elenco: Gabriel Martins; Maurílio Martins e Gabriela Monteiro 
CCC Livre

CHICO 
Diretor Irmãos Carvalho 2029. Treze anos depois de um golpe de Estado no Brasil, crianças pobres, negras e faveladas são marcadas em seu nascimento por pressupor-se que elas irão, mais cedo ou mais tarde, entrar para o crime. Chico é mais uma dessas crianças. Elenco: Fabrício Assis, Jeckie Brown e Lucia Talabi.
CCC 16

DEUS 
Diretor Vinicius Silva. Filme curta-metragem híbrido, entre documentário e ficção, o qual aborda a força de uma mãe negra da periferia de São Paulo e sua divina influência sobre o filho. Elenco: Breno da Silva de Araujo, Ricardo Silva, Roseli Izabel da Silva.
CCC 14

CAIXA D'ÁGUA 
Diretora Everlane Moraes. O documentário “Caixa D’água: Qui-lombo é esse?” Relata, através de depoimentos de antigos moradores e de acervos fotográficos, a importância no âmbito cultural e histórico do bairro Getúlio Vargas localizado em Aracaju, capital de Sergipe. A ênfase é dada à cultura negra e à presença do negro escravo e seus descendentes, com o resgate de assuntos relacionados à sua origem, oralidade, localização geográfica e consciência de sua identidade racial, mostrando que, apesar dessa comunidade existir em uma área urbana, ainda mantém muitos aspectos da vida em quilombo dos antigos negros escravos do Brasil. Elenco: Everlane Moraes Santos, Luisa Dandara, Gilson Marinho. 
CCC 12

BARBIE CONTRA-ATACA 
Diretor Yan Whately. Barbie ataca jovem mulher em formação, armada até os dentes com padrões absurdos de beleza e feminilidade. Elenco: Yara Ligério.

Ingresso: gratuito
Data(s): 27/07/2018, 28/07/2018 e 29/07/2018
Horário(s): 27 JUL 18h30 | 28 JUL 17h30 | 29 JUL 15h

(Fonte: FCC)



Centenário de nascimento de Jacob do Bandolim é destaque no Bossamoderna

Programa apresenta uma série de dois programas em homenagem ao artista

Resultado de imagem para Jacob do Bandolim

O Bossamoderna deste domingo (22) homenageia o centenário de nascimento de Jacob do Bandolim. Ele viveu entre 1918 e 1969. 

O programa começa com o sucesso “Treme-treme”, de 1947. A composição foi a primeira obra solo de Jacob do Bandolim. No ano seguinte, em 1948, ele lançou outra composição de destaque. Esta edição apresenta “Remelexo”.

Ao longo da vida, Jacob do Bandolim foi vendedor, prático de farmácia, corretor de seguros, além de ser considerado uma das principais referências do choro. O Bossamoderna destaca “Cabuloso”, mais uma brilhante composição do artista.

No começo da década de 1950, Jacob passou a atuar junto com o “Conjunto Regional do Canhoto”. O programa destaca a magnífica regravação de “Lamentos”, de Pixinguinha, em gravação de 1951.

Esta edição conta também com a participação do conjunto “A Cor do Som”. O grupo formado por Armandinho Macedo (Bandolim), Mu (teclados), Dadi (baixo), Gustavo (bateria) e Ary (percussão), apresenta “Assanhado”, de Jacob do Bandolim, em faixa do disco “Frutificar”, de 1979.

O grupo paulista “Quatro a Zero” revisita nesta edição “O vôo da mosca”, do homenageado Jacob, em faixa do disco “Choro elétrico”, de 2004. Já o conjunto de vanguarda “Tira Poeira” apresenta nesta edição, a “Receita de samba”, composição do próprio Jacob do Bandolim, em faixa do disco “Tira poeira’, de 2003.

O paulista Paulo Moura revisitou “Simplicidade”, que Jacob lançou em 1960, em faixa do disco “Estação Leopoldina”, de 2003. O carioca “Trio Madeira Brasil” formado por Marcelo Gonçalves (violão de 7 cordas), Zé Paulo Becker (violão de seis cordas) e Ronaldo do Bandolim, destaca nesta edição a valsa de 1948, que Jacob do Bandolim intitulou como “Feia”. O Bossamoderna apresenta a obra em faixa do disco “Trio Madeira Brasil e convidados ao vivo”, de 2004.

O pianista Laércio de Freitas participa desta edição junto com o violonista Alessandro Penezzi. Eles apresentam nesta edição “A ginga do Mané”, em faixa do disco “Laércio de Freitas homenageia Jacob do Bandolim", de 2007.

Alguns temas instrumentais de Jacob foram gravados por grandes vozes da música brasileira. Esta edição destaca “Noites cariocas”, na voz de Gal Costa. Os versos foram escritos por Hermínio Bello de Carvalho. O Bossamoderna apresenta a obra em faixa do disco “Gal tropical”, de 1979.

Ataulfo Alves foi parceiro de Jacob na composição da música “Meu lamento”, gravada por Nora Ney em 1956. Elizeth Cardoso gravou outro de tema de Jacob do Bandolim. O repertório desta edição apresenta “Doce de coco”. A música foi letrada por Hermínio Bello de Carvalho.

Esta edição do Bossamoderna destaca também “Inocência”, letra e música de Jacob. O programa apresenta a obra em gravação de 1968, que reuniu Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim, o grupo “Época de Ouro” e o "Zimbo Trio".

Neste primeiro programa em homenagem ao artista, o Bossamoderna encerra com “Jamais”, de Jacob e Luiz Bittencourt. O programa destaca a obra na apresentação de Elizeth Cardoso, do próprio bandolinista e do conjunto “Época de Ouro”.

Para ouvir o programa especial, clique AQUI. 

(Fonte: EBC Rádios)




A previsão do tempo para o o final de semana pode ser conferida AQUI