Páginas

terça-feira, 31 de julho de 2018

Instituto paranaense passa a fornecer medicamentos para o tratamento de câncer ao SUS

Foto: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas
O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) vai produzir medicamentos biológicos para o tratamento de câncer, artrite e doenças autoimunes para o Sistema Único de Saúde (SUS). Até então, a instituição produzia apenas vacinas para o SUS.

Ao todo, são seis medicamentos produzidos pela fábrica do Tecpar, que será construída em Maringá, no noroeste do Estado. Por enquanto, o projeto inclui a compra e fornecimento dos medicamentos, e, gradativamente, a produção industrial própria.

Os biológicos são feitos a partir de material vivo e manufaturados por meio de processos que envolvem engenharia genética e biológica molecular. Eles são produzidos por meio de células vegetais e animais e conforme o presidente do Tecpar, Júlio Félix, têm o poder de cura mais elevado e com menos efeitos colaterais que os medicamentos sintéticos.

“É uma plataforma completa de medicamentos biológicos a partir de engenharia genética e biologia molecular. O tratamento é diferente porque identifica o marcador do tumor e atua diretamente na célula cancerígena”, afirma Félix.

Os primeiros medicamentos produzidos serão das linhas que envolvem a saúde da mulher e da criança. Um deles é utilizado no tratamento de câncer de mama metastático.

Esses medicamentos são importados pelo Ministério da Saúde e a produção pelo Tecpar deve representar uma economia de 50% ao poder público. Segundo Félix, isso também possibilitará que mais pessoas tenham acesso ao remédio, já que atualmente em função do custo os medicamentos biológicos são liberados para algumas indicações por meio de ações judiciais.

“A nossa felicidade é de trazer ao país conhecimento e poder atender a população mais carente de medicamentos que hoje são, praticamente, todos judicializados, que causam um preço enorme ao sistema e que não dá acesso a todos”, explica o presidente da Tecpar.

Além do laboratório paranaense, outras duas instituições públicas – Biomanguinhos e Butantan – foram confirmadas pelo Ministério da Saúde para o desenvolvimento dos medicamentos.

(Fonte: Portal Paraná)