Páginas

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Paraná é o 2º estado que mais gera empregos para refugiados

Em um ano, foram criados 1.772 empregos para estrangeiros no ano passado

Resultado de imagem para emprego refugiados

O Paraná foi o segundo estado brasileiro que mais abriu vagas formais de trabalho para estrangeiros em 2017. Entre admissões e demissões, foram criadas 1.772 novos postos de emprego ao longo do ano passado. Apenas Santa Catarina apresentou um saldo mais positivo, com 2.861 novas vagas. Logo atrás do Paraná, aparecem Rio Grande do Sul (1.644) e São Paulo (1.613).

Os dados, disponíveis no relatório anual “A movimentação do trabalhador imigrante no mercado de trabalho”, foram levantados pela Coordenação Geral de Imigração (CGIg), órgão ligado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Para tanto, a Coordenação utilizou como base as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e dados sobre a emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

O resultado paranaense foi fruto de um total de 6.464 estrangeiros admitidos e outros 4.692 desligamentos.. No ano anterior, o estado havia registrado saldo negativo, com o fechamento de 2.442 vagas de emprego formal para estrangeiros (em 2016, foram 6.128 admissões e 8.570 desligamentos).

Considerando-se todo o Brasil, em 2017 foram criadas 9.149 vagas de emprego (43.760 admissões e 34.611 desligamentos), resultado bem melhor que o verificado em 2016, quando o saldo de empregos foi negativo (-10.891, com 41.572 admitidos e 52.463 demitidos).

Tanto em 2016 como em 2017, a região Sul foi o destaque brasileiro. No primeiro ano, destaque negativo, pois registrou saldo negativo de 6.039 vagas de emprego fechadas. Já no ano passado, foi o destaque positivo, com a criação de 6.277 novos postos de trabalho.

Número de imigrantes no Estado só cresce

Um levantamento feito pelo Ipardes com base na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) revela que o Paraná era, em 2016, o terceiro estado com maior número de estrangeiros inseridos no mercado de trabalho formal. Naquele ano, haviam 13.833 pessoas com carteira assinada, principalmente haitianos, paraguaios, argentinos, portugueses, franceses e japoneses. Apenas Santa Catarina (14.348) e São Paulo (43.141) apresentavam números maiores.

Além disso, desde 2010, o número de imigrantes no Estado aumentou 277%. Em 2010, o Estado tinha um contingente de 3.660 trabalhadores de outros países atuando no mercado de trabalho formal.
O auge do número de imigrantes no mercado do Paraná, contudo, foi em 2015, com 16.622 empregados estrangeiros. Em 2016, porém, houve queda de 17% em relação ao ano anterior, retração que acompanhou a tendência do mercado de trabalho.

No Paraná houve uma queda principalmente no número de trabalhadores haitianos, com redução de 30% em relação a 2015. Ainda assim, o contingente de haitianos é o maior entre os imigrantes no Estado, com 4.847 pessoas. Em segundo lugar vem os paraguaios (3.674) e argentinos (695).

Dia do Imigrante

Hoje comemora-se o Dia do Imigrante em todo o Brasil. Instituída pelo Decreto nº 30.128 de 14 de novembro de 1957, em decisão da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, a data foi escolhida para celebrar o fluxo imigratório ao Brasil por marcar o fim das celebrações da semana da Imigração Japonesa, comemorada a partir de 18 de junho. No calendário brasileiro, os imigrantes ainda são homenageados com outra data: o Dia do Imigrante Italiano, celebrado em 21 de fevereiro. 

Quem quiser conhecer um pouco mais sobre suas origens (especialmente se for de descendência européia), o Arquivo Público do Paraná disponibiliza em seu site informações de imigrantes que vieram morar no estado entre os anos de 1876 a 1879 e 1885 a 1896, totalizando aproximadamente 100.000 registros. Para conferir, basta acessar o site http://www.arquivopublico.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=78

(Fonte: Bem Paraná)