Páginas

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Ministra Maria de Assis Calsing é homenageada em última sessão do Tribunal Pleno

Resultado de imagem para ministra Maria de Assis Calsing

A ministra Maria de Assis Calsing, que se aposenta no início de agosto, foi homenageada na sessão extraordinária do Tribunal Pleno do Tribunal Superior do Trabalho realizada nesta quinta-feira (21). Os colegas de toga, o procurador-geral do Trabalho e o representante dos advogados exaltaram os longos anos dedicados por ela à Justiça do Trabalho.

As homenagens foram abertas pelo ministro Alberto Bresciani, que destacou o longo laço de amizade, iniciada na década de 80, e a carreira exemplar dedicada à magistratura. Ele afirmou que o tribunal sentirá a ausência da colega, mas que o descanso e a dedicação à família são merecidos. “Há tempo para tudo. O seu tempo agora trará maior brilho, felicidades e alegrias ao seu lar”, disse.

O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury, exaltou a trajetória e a importância do trabalho prestado pela magistrada. Segundo o procurador, a ministra foi importante exemplo de humildade para ele no início de sua carreira, quando era servidor do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF/TO), onde ela era juíza na época. “É uma merecida aposentadoria. Desejo que possa realizar todos os sonhos que ainda não foram realizados em razão da imensa dedicação à justiça social, a esta casa e aos trabalhadores de nosso país”, afirmou.

O advogado Cézar Britto, representando a categoria, também enfatizou a natureza acolhedora da ministra e sua dedicação às causas sociais. Segundo ele, o TST também é um tribunal acolhedor para os advogados, e isso se deve à história feita por magistrados como a ministra Calsing.

A magistrada agradeceu as homenagens e ressaltou que a parte “dolorida” da aposentadoria é justamente não ter mais a convivência diária vivida por todos esses anos. “Agradeço a Deus por ter me dado essa oportunidade de conviver com pessoas maravilhosas, não só colegas, mas servidores, advogados e procuradores”, concluiu.

(Fonte: TST)